psicose

psicose

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

HELLRAISER SAGA



HELLRAISER SAGA









Kristy Cotton está em um quarto de hospital. Nas mãos, tem uma espécie de quebra-cabeça em forma de cubo, que revolve obsessivamente até ativar algum mecanismo oculto. O objeto passa a se mexer por conta própria, até que o ambiente parece responder a esses movimentos: as lâmpadas oscilam e fissuras espalham-se pelas paredes, derramando uma luz doentia sob o rosto assustado de Kristy. As rachaduras abrem-se e por elas surgem três monstruosas criaturas.


Aterrorizada, a moça pergunta quem ou o quê está diante de si. Uma das criaturas toma a dianteira; ela tem o rosto cravejado por pregos e, numa voz subterrânea, afirma: “Somos exploradores das regiões mais distantes da experiência. Somos demônios para alguns, anjos para outros”.

 A cena acima está no filme Hellraiser (1987), escrito e dirigido por Clive Barker. E a frase, dita por sua criação mais famosa -- o Hell Priest apelidado de Pinhead --, soa como um resumo das motivações que levaram o próprio Barker a compor algumas das mais potentes obras atuais da ficção de horror.




HELLRAISER (1987)

ANO: 198

PAÍS: Inglaterra

DURAÇÃO: 093 minutos

DISTRIBUIDORA: Flashback
DIREÇÃO: Clive Barker
ELENCO: Andrew Robinson; Clare Higgins; Ashley Laurence; Robert Hines; Sean Chapman; Oliver Smith; Doug Bradley
Eu vi o futuro do Horror… E seu nome é Clive Barker – Stephen King


Essa famosa e profética frase do consagrado escritor Stephen King é verdadeira e indicativa do que os apreciadores do gênero fantástico seriam brindados através do fascinante universo ficcional de horror criado pelo genial Clive Barker. Autor inglês nascido em 1952, ele escreveu uma série de coletâneas de contos intituladas Livros de Sangue (Books of Blood), lançados no Brasil pela Editora Civilização Brasileira.

Sua literatura é recheada de situações de horror explícito aliadas a elementos de sexo e sadomasoquismo, apresentando todo tipo de monstros e criaturas malignas, não poupando sangue, violência e sadismo em suas histórias sobrenaturais. Em Hellraiser, um homem inescrupuloso, Frank (Sean Chapman), comprou uma misteriosa caixa mágica e num ritual de magia negra ele descobriu uma forma de abri-la, permitindo dessa forma o contato entre o nosso mundo e uma dimensão paralela habitada por criaturas infernais chamadas cenobitas, que tinham como função capturar almas e proporcionar experiências fora da compreensão humana, através de horríveis torturas na carne, com o uso de correntes e ganchos pontudos, misturando dor e prazer.Liderados por Pinhead (Doug Bradley), o macabro grupo de cenobitas ainda era formado por outras três criaturas bizarras, uma mulher com a garganta dilacerada (Grace Kirby) e dois homens, um com a boca sempre escancarada e esticada tendo os dentes batendo-se entre si numa ação constante e perturbadora (Nicholas Vince), e outro mais obeso com um óculos escuro cravado no rosto (Simon Bamford). Seus corpos eram todos marcados por cortes profundos e enormes cicatrizes.
Video:

HELLBOUND: HELLRAISER II (1988)

Hellraiser II – Renascido das Trevas (Hellbound: Hellraiser II) — Reino Unido/ EUA, 1988

DireçãoTony Randel
Roteiro: Peter Atkins (baseado em história de Clive Barker)
Elenco: Doug Bradley, Ashley Laurence, Clare Higgins, Kenneth Cranham, Imogen Boorman, Sean Chapman, William Hope, Barbie Wilde, Simon Bamford, Nicholas Vince, Oliver Smith
Duração: 97 min.
Nós temos a eternidade para conhecer a sua carne – Do sádico Pinhead para a desesperada Kirsty 
O sucesso comercial de Hellraiser impulsionou a criação de uma franquia, e apenas um ano depois foi lançada a continuação Hellbound: Hellraiser II, dessa vez com direção de Tony Randell e tendo Clive Barker apenas na produção. Bem mais sangrento que o anterior e tendo à disposição mais dinheiro para a criação dos efeitos especiais, agora os cenobitas aparecem mais tempo que o filme original, e quase toda a história é ambientada no inferno com a revelação de vários elementos para uma maior compreensão do universo ficcional de Hellraiser
Vídeo:



HELLRAISER III: HELL ON EARTH (1992)

  
Hellraiser 3: Inferno na Terra



Original:Hellraiser III: Hell on Earth
Ano:1992•País:EUA, Canadá
Direção:Anthony Hickox
Roteiro:Peter Atkins
Produção:Christopher Figg, Lawrence Mortorff
Elenco:Terry Farrell, Doug Bradley, Kevin Bernhardt, Lawrence Mortorff, Ken Carpenter, Paula Marshall, Robert C. Treveiler, Christopher Frederick, Lawrence Kuppin, Brent Bolthouse, Paul Vincent Coleman
O sofrimento de estranhos. A agonia dos amigos. Há uma música secreta no centro do mundo. Seu som é como o de uma lâmina atravessando a carne. – Pinhead, durante o massacre no bar The Boiler Room
Hellraiser III é bastante intenso em violência, apresentando cinco novos cenobitas depois que os anteriores ChattererButterball e Female foram destruídos no filme anterior. As novas criaturas infernais são três homens, um com vários CD´s cravados na cabeça, outro com um câmera de vídeo servindo de olho, e o último com um aparelho mecânico em constante movimento no interior do cérebro, além de duas mulheres, sendo uma com arames farpados cobrindo-lhe o rosto e que solta fogo pela boca como se fosse um daqueles dragões mitológicos, e outra com um cigarro aceso pendurado por uma abertura exposta na garganta.
Vídeo:


HELLRAISER: BLOODLINE (1996)

  
Hellraiser 4: A Herança Maldita



Original:Hellraiser: Bloodline
Ano:1996•País:EUA
Direção:Kevin Yagher
Roteiro:Peter Atkins
Produção:Nancy Rae Stone
Elenco:Bruce Ramsay, Valentina Vargas, Doug Bradley, Charlotte Chatton, Adam Scott, Kim Myers, Courtland Mead, Louis Mustillo, Pat Skipper, Christine Harnos

O passado, presente e futuro se encontrarão todos nas encruzilhadas do inferno
Hellraiser – A Herança Maldita mantém a característica da série e apresenta uma significativa dose de violência e sangue, não faltando os tradicionais ganchos e correntes que rasgam a frágil carne humana, cenas caprichadas de decapitações e vísceras expostas, transformações bizarras de cenobitas (como na unificação sangrenta de dois irmãos gêmeos que eram guardas de segurança num prédio), além da presença de um cachorro mutante e a participação sempre imponente, ameaçadora e indispensável de Pinhead, com seus discursos sobre a essência da dor (como no exemplo reproduzido no final desse texto).
Esse filme amarra os 3 primeiros e encerra um ciclo na série
Os dois filmes seguintes, Hellraiser 3, Inferno na Terra (Hellraiser III: Hell on Earth, 1992)Hellraiser: Herança Maldita (Hellraiser: Bloodline, 1996), também contaram com a participação de Barker como produtor executivo, porém, já não conseguiram ser tão bons quanto os capítulos 1 e 2. Após o quarto filme, Baker saiu definitivamente da saga . Em várias entrevistas, o autor deixou claro que suas ideias para a franquia haviam acabado. “A série não me pertence mais. Ela é dos fãs e dos profissionais que trabalham nela agora”, explica Barker. Mal sabia ele o caminho que tais profissionais dariam para sua criação após seu desligamento da saga… Desde então, os filmes que foram produzidos são marcados pela falta de bons roteiros e quase nulos de situações de terror e violência, passando a apostar apenas no susto fácil. 
Vídeo:


HELLRAISER: INFERNO (2000)

  
Hellraiser 5 - Inferno



Original:Hellraiser - Inferno
Ano:2000•País:EUA
Direção:Scott Derrickson
Roteiro:Paul Harris Boardman, Scott Derrickson
Produção:W.K. Border, Joel Soisson
Elenco:Craig Sheffer, Nicholas Turturro, James Remar, Doug Bradley, Nicholas Sadler, Lindsay Taylor, Matt George, Michael Shamus Wiles, Sasha Barrese, Kathryn Joosten, Carmen Argenziano, Christopher Neiman, Christopher Kriesa 
Mudar o foco de uma trama que leva o nome Hellraiser foi algo corajoso. Por que repetir o que estava sendo feito se existia uma outra opção? No entanto, parte dos fãs da série talvez tivesse preferido o velho feijão com arroz. Na verdade, o segredo para gostar de Inferno é esquecer o que foi visto nos filmes anteriores e se deixar levar pela trama.
Inferno pode não ser o clássico que o Hellraiser original indiscutivelmente é, mas se trata de uma produção que merece respeito principalmente por não ser um clone do que já havia sido feito antes. No entanto, o formato de Inferno também foi vítima de plágio através dos filmes seguintes da série. Mas isso, já é uma outra história. 
Vídeo:



HELLRAISER: HELLSEEKER (2002)

  
Hellraiser 6: Caçador do Inferno



Original:Hellraiser: Hellseeker
Ano:2002•País:Canadá, EUA
Direção:Rick Bota
Roteiro:Carl V. Dupré, Tim Day
Produção:Michael Leahy, Ron Schmidt
Elenco:Dean Winters, Ashley Laurence, Doug Bradley, Rachel Hayward, Sarah-Jane Redmond, Jody Thompson, Kaaren de Zilva, Michael Rogers, Trevor White, Kyle Cassie
A intérprete que deu a força para Kirsty é a atriz norte-americana Ashley Laurence. Nascida em 28 de maio de 1966, ela fez sua estreia no cinema em Hellraiser, sendo nesta produção, seu maior sucesso. Ela ainda participou de outras obras do gênero como Mikey (1992)Warlock III (Warlock III: The End of Innocence, 1999), além de seriados como Plantão Médico e Barrados no Baile. Ashey ainda faria uma aparição especial em Hellraiser 3 – Inferno na Terra (Hellraiser 3 – Hell on Earth, 1992), dando adeus a sua personagem Kirsty. Mas o hiato duraria pouco.
Depois da saída de Ashley, a série Hellraiser não foi mais a mesma. Os filmes 3 e 4 deixaram a desejar no quesito roteiro e o 5, apesar de ter uma história bem consistente, não agradou a maioria dos fãs. A produtora Miramax Films sabia que algo precisava ser feito para melhorar a imagem da franquia e uma das saídas encontradas, quando um novo filme começou a ser pensado, foi olhar para o passado e trazer Kirsty de volta. A notícia agradou a maioria dos fãs. Já o resultado…
Vídeo:


HELLRAISER: DEADER (2005)

  
Hellraiser: O Retorno dos Mortos



Original:Hellraiser: Deader
Ano:2005•País:EUA, Romênia
Direção:Rick Bota
Roteiro:Benjamin Carr, Tim Day
Produção:David S. Greathouse, Ron Schmidt, Stan Winston
Elenco:Kari Wuhrer, Paul Rhys, Simon Kunz, Marc Warren, Georgina Rylance, Doug Bradley
Este Hellraiser 7 consegue ser de longe o mais fraco filme da série, aliás, desde a saída de Baker da franquia que as produções seguintes passaram a seguir um padrão que deixava de lado os elementos de terror e violência para apostar mais no formato de um thriller com situações de mistérios envolvendo os personagens principais da vez. E esse título Deader...sério? Deader? Que diabos é Deader? Morteiros, Mortadores? Ficou conhecido e titulado aqui no Brasil como O Retorno dos Mortos, mas sabemos que a tradução certa é uma vergonha alheia.
Vídeo:


HELLRAISER: HELLWORLD (2005)

  
Hellraiser 8: O Mundo do Inferno



Original:Hellraiser: Hellworld
Ano:2005•País:EUA, Romênia
Direção:Rick Bota
Roteiro:Joel Soisson, Carl V. Dupré
Produção:Ron Schmidt
Elenco:Lance Henriksen, Katheryn Winnick, Christopher Jacot, Khary Payton, Henry Cavill, Victor McGuire, Doug Bradley, Stelian Urian, Catalina Alexandru
Infelizmente O Mundo do Inferno nada mais é do que aquilo que já foi visto dos filmes fracos da série. A trama começa até de forma interessante, com toda a questão do universo Hellraiser sendo explorada pelos personagens, como quando um rapaz fala que comprou uma máscara do Cenobita Chatterer, aquele que sempre fica batendo os dentes, no Ebay.
No entanto, o roteiro, assinado por Joel Soisson (de Dracula 2000), simplesmente não consegue prender a atenção do público e em pouco mais de 10 minutos, se perde o interesse em acompanhar o desenrolar do filme. 
Vídeo:


HELLRAISER: REVELATIONS (2011)

 HELLRAISER: REVELAÇÕES

Original:Hellraiser: Revelations
Ano:2011•País:EUA
Direção:Víctor García
Roteiro:Gary J. Tunnicliffe
Produção:Aaron Ockman, Joel Soisson
Elenco:Tracey Fairaway, Fred Tatasciore, Steven Brand, Nick Eversman, Daniel Buran, Sanny van Heteren, Jay Gillespie, Jolene Andersen, Adel Marie Ruiz, Stephan Smith Collins, Sebastien Roberts, Devon Sorvari, Sue Ann Pien, Camelia Dee
Consta que foi filmado e lançado às pressas apenas porque os direitos da franquia iriam expirar e a Dimension não queria perdê-los, o que já dá uma bela ideia do que esperar. Nem o ator Doug Bradley, que interpretou o vilão Pinhead nos oito episódios anteriores, quis segurar o rojão e pulou fora da barca furada. O ator Stephan Smith Collins foi o novo Pinhead.
Stephan Smith Collins 
jConvenhamos que não ficou bom esse Pinhead. Até eu (Roberto), modéstia parte, fiz um cosplay melhor que esse ai:






Nas palavras de Barker: @RealCliveBarker @Purgatori66 "Olá, meus amigos. Eu quero deixar claro que essa paulada ai fora usando o nome de Hellraiser NÃO É CRIA MINHA!"
@RealCliveBarker "Eu não tenho NADA a ver com essa porra. Se eles afirmarem que isso é da mente de Clive Barker, é mentira. Não é nem se quer da minha bunda."
Acho que ele deixou bem claro que não gostou nenhum pouco.

Porém, apesar de todo o rumor da crítica detonando o filme, e os fãs torcendo o nariz por não ter Doug Bradley, não consigo falar que é pior que os últimos três filmes do Rick Bota. É um filme assistível. Tem bastante gore, e o estilo found footage deu uma nova roupagem para a franquia, que só repetia as previsíveis estórias.
Vídeo:



Clive Barker, mestre do horror

Um dos pontos interessantes a respeito de Hellraiser é que Barker sempre foi ávido pelo horror. Sua produção literária e cinematográfica é quase toda voltada para o gênero. Isso, no entanto, não é tudo. Assumido gay desde os 18 anos, ele teve interesse em trazer representatividade LGBT para sua obra, e isso pode ser visto muito em Evangelho de Sangue.
Clive Barker e Stephen King
Para compor sua mitologia, Barker se inspirou em clubes de BDSM - sigla para bondage, dominação e sadomasoquismo. Isso explica a tênue linha que divide a percepção dos Cenobitas para a dor e o prazer. Desde que publicou o livro, em 1986, Barker manteve-se bem ligado à sua criatura sombria, e continua ativo na franquia até hoje.



Cada corpo é um livro de sangue. Sempre que nos abrem, a impressão é vermelha. – Clive Barker










CONTINUA......